Geral

Sambistas comemoram editais de apoio ao carnaval

Publicado

em


Representantes e componentes das escolas de samba e blocos tradicionais do Distrito Federal se reuniram na Praça da Língua Portuguesa, localizada na Biblioteca Nacional de Brasília, na tarde desta terça-feira (26), para agradecer a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) pela publicação dos editais de apoio ao carnaval tradicional.

Representantes das escolas de samba e blocos tradicionais celebram apoio para o carnaval | Foto: Marina Gadelha/Secec-DF

Ao som de frevo, marchinhas e de muito samba, o grupo formado por integrantes de diversas agremiações – como a Unidos do Varjão, Acadêmicos da Asa Norte, Menino de Ceilândia e Galinho de Brasília – saudou a publicação, sobretudo, do Edital nº 34/2021, que vai selecionar duas propostas para desenvolver atividades de apoio às agremiações, num aporte de quase R$ 4 milhões.

“Brasília está há quase uma década sem uma manifestação cultural dessa magnitude, que são os desfiles de carnaval. Tenho dito frequentemente que é pela cultura que o país vai sair dessa crise”Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

“Esse edital vai dar oportunidade para que as escolas mantenham seu funcionamento, inclusive com cursos de qualificação, para que nos preparemos para os desfiles de 2023”, observou Hélio dos Santos, presidente da Liga de Escolas de Samba Tradicionais de Brasília (Liestra).

O outro edital, n° 27/2021, visa selecionar Organização da Sociedade Civil (OSC) para gerenciar o projeto Escola de Carnaval. Com valor de R$ 1,5 milhão, a proposta engloba todas as regiões administrativas (RAs).

“Brasília está há quase uma década sem uma manifestação cultural dessa magnitude, que são os desfiles de carnaval. E quando colocamos a cadeia criativa do carnaval para rodar isso representa muito para a economia. Tenho dito frequentemente que é pela cultura que o país vai sair dessa crise”, apontou o secretário de Cultura e Economia Criativa do DF, Bartolomeu Rodrigues.

Inclusão cultural

Presidente de um dos mais tradicionais blocos de carnaval do DF, o Galinho de Brasília (que completa 30 anos de criação em 2022), Romildo de Carvalho afirma que “a abertura dos editais é fundamental para a sobrevivência dos blocos tradicionais e inclusão da cultura. E para que se continue fazendo o carnaval que Brasília gosta e merece.”

Sambistas na Praça da Língua Portuguesa, localizada na Biblioteca Nacional de Brasília | Foto: Hugo Lira/Secec-DF

A presidente da Associação Recreativa e Cultural Unidos do Varjão e ex-rainha de bateria da agremiação, Claudinha Constâncio, agradeceu pelo estímulo dado às escolas de samba tradicionais. “Esse apoio vai viabilizar os projetos prestados à comunidade, como oficinas de corte e costura, artes, teatro e percussão.”

Responsável por fomentar a política pública para o carnaval, a Subsecretaria de Difusão e Diversidade Cultural (SDDC) lançou os dois editais em um intervalo de um mês. “Juntos, esses instrumentos devolvem a potência para que esse segmento crucial da cultura popular volte a movimentar as comunidades”, destaca a subsecretária Sol Montes.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Fonte: Governo DF

Comentários do Facebook
Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Vice-governador Paco Britto é homenageado pela Assespro

Publicados

em


O vice-governador Paco Britto foi homenageado com troféu, na noite desta quarta-feira (1°), durante solenidade comemorativa aos 45 anos da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro). O evento, realizado no Centro Empresarial de Brasília, reuniu cerca de 150 convidados, entre empresários, parlamentares, secretários e dirigentes do setor de TI de todo o Brasil.

Distrito Federal é o terceiro maior mercado de TI do Brasil – são cerca de 30,3 mil vagas nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) | Foto: Jaqueline Husni/Agência Brasília

Com mais de 2,5 mil empresas associadas em todos os estados do Brasil e com regionais em 13 estados da federação, a associação é a mais antiga – foi fundada em 1976, com sede em Brasília – e tem a maior representatividade em âmbito nacional referente às empresas brasileiras do setor – principalmente, em relação às pequenas e médias empresas.

No discurso, Paco Britto comentou sobre o mercado promissor de Tecnologia da Informação (TI) no Distrito Federal. “Brasília é um celeiro de novas empresas de TI. Já é uma realidade. O governo Ibaneis Rocha e Paco Britto tem um olhar especial para a TI do Distrito Federal”, frisou, dirigindo-se ao vice-presidente de Articulação Política da Federação Assespro, Cristian Tadeu, presente à cerimônia.

Redução de alíquotas

Paco ressaltou ainda sobre a redução de alíquotas praticada nesta gestão. “Eu tive a oportunidade de anunciar a redução, no primeiro ano de governo, das alíquotas, para que pudéssemos ficar competitivos junto a outros estados”, lembrou, acrescentando que as entidades que representam essa “população de trabalhadores é uma grande máquina de arrecadação de tributos para o Governo do Distrito Federal”.

Para o presidente da Federação Assespro, Ítalo Nogueira, um dos principais desafios do setor nos próximos anos é a falta de profissionais no setor, agravada ainda mais durante o período da pandemia de covid-19.

Segundo o Sindicato das Indústrias da Informação do Distrito Federal (Sinfor/DF), o Distrito Federal é o terceiro maior mercado de TI do Brasil – são cerca de 30,3 mil vagas nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Ainda de acordo com o sindicato, durante a pandemia, foram abertas por volta de 2 mil empresas de informática e de TI. Mas apesar do crescente número de vagas disponíveis, ainda há falta de mão de obra qualificada para atender ao mercado.

Fato este que foi corroborado por Cristian durante a leitura de um manifesto, para marcar a data comemorativa da Assespro. O teor do documento foi resultado de uma reunião do Conselho de Administração, realizada na manhã desta quarta-feira (1°), em defesa de políticas públicas que evitem o apagão de mão de obra do setor. “O momento exige união para evitar o apagão tecnológico”, resumiu.

Também foi citada nos discursos, pelos dirigentes, a competitividade tecnológica do país, bem como a geração e preenchimento de empregos de qualidade. Ao longo dessas quatro décadas, a entidade vem defendendo os interesses das empresas nacionais e a indústria nacional da Tecnologia da Informação.

Integração

Representante do setor junto aos governos municipais, estaduais e federal, bem como a sociedade, e perante as instituições de ensino, a Assespro tem o objetivo de integrar a comunidade acadêmica com a empresarial e contribuir para formação de pessoal capacitado para as demandas do mercado.

A Assespro foi criada com o intuito de representar de forma distinta e empreendedora, empresas privadas nacionais produtoras e desenvolvedoras de software, produtos e serviços de tecnologia da informação, telecomunicações e internet.

Com informações da Assespro

Fonte: Governo DF

Comentários do Facebook
Continue lendo

GOIÁS

MINAS GERAIS

DISTRITO FEDERAL

POLÍTICA NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA