Economia

Origem Premium investe em tecnologia e sustentabilidade e garante eficiência operacional para atender as demandas de mercado

Publicado

em


A busca por eficiência operacional é uma das diretrizes do Grupo Origem Premium. Pautados pelos princípios de bem-estar animal, sustentabilidade, tecnologia de ponta e ferramentas que auxiliem na gestão do negócio e modernizem a produção, garantem ao mercado consumidor, carne segura e ganhos elevados aos criadores parceiros da Raça Araguaia.

O modelo de produção Origem Premium, contribui para a disseminação do conceito e da prática da pecuária sustentável. Foto: Origem Premium

Dessa forma, o bom planejamento e a gestão eficiente têm assegurado o sucesso da marca, a partir da adequação ambiental da propriedade, associada a práticas de manejo, que resultam em ganhos de produtividade, alcance de novos mercados, e a fidelização de um público cada vez mais consciente.

A adoção de práticas sustentáveis resultou em potencial de ganho de peso do animal de Raça Araguaia, redução no tempo de engorda, permitindo maior precocidade reprodutiva e de abate. Foto: Origem Premium

Todos os recursos utilizados para melhorar a eficiência da produção animal e minimizar erros de gestão e manejo, são adotados pelo Grupo Origem Premium, com o propósito de reduzir as perdas, preservar a natureza e elevar qualidade dos produtos. Os reflexos estão presentes no meio ambiente, com a mitigação de gases de efeito estufa, recomposição da vida microbiana do solo e condições propícias à regeneração da fauna e flora. Modelo que contribui para a disseminação do conceito e da prática da pecuária sustentável, por aliar à atividade produtiva a conservação dos recursos naturais e da biodiversidade.

O conceito Origem Premium contempla ações estratégicas direcionadas a cadeia produtiva da carne, da preservação ambiental e recuperação de áreas verde. Foto: Origem Premium

O bom gerenciamento apresenta-se como fator determinante para o êxito da Origem Premium. Segundo o criador da Raça Araguaia e um dos fundadores da empresa, Raul Almeida, o mais importante é a gestão da propriedade, com ações embasadas por dados técnicos que possibilitem maior eficácia, confiabilidade, sustentabilidade e, consequentemente, melhores resultados.

A pecuária de corte associada à conservação ambiental é uma característica do nosso modelo de produção. O sucesso da marca se deve a genética da Raça Araguaia, ao manejo aplicado a produção aliado ao bem estar animal, a relação harmoniosa com os colaboradores e ao respeito ambiental. Essas associações de fatores possibilitam entregar ao consumidor uma carne macia, saborosa, saudável e sustentável”.

O bom planejamento e a gestão eficiente têm assegurado o sucesso da marca, a partir da adequação ambiental da propriedade. Imagem: Origem Premium

Melhore o manejo e aumente a produtividade, com o Programa Origem Premium. Oferecemos um conjunto de tecnologias para a boa gestão e inovação, permitindo a genética do Araguaia expressar o seu potencial, em reprodução, engorda e acabamento, com a redução no tempo de engorda, maior precocidade reprodutiva e de abate, oferecendo ao mercado consumidor, uma carne de melhor qualidade, maciez e sabor. Para saber mais sobre o nosso modelo de produção sustentável, entre em contato com a gente pelo e-mail: contato@origempremium.com.br

Comentários do Facebook
Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Dólar desacelera e fecha em R$ 5,57 após discussão de PEC ser adiada

Publicados

em


Depois de um dia de oscilações, o dólar reduziu a alta perto do fim das negociações e fechou praticamente estável, após a arrecadação federal bater recorde em setembro e a discussão da proposta de emenda à Constituição que parcela os precatórios e muda o teto de gastos ser adiada. A bolsa de valores caiu 2,11% e quase anulou os ganhos de ontem (25), em meio à expectativa de que o Banco Central (BC) aumente o ritmo de reajuste da taxa Selic (juros básicos da economia).

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (26) vendido a R$ 5,573, com alta de R$ 0,018 (+0,32%). A cotação iniciou o dia com pequena queda e acelerou ainda pela manhã, chegando a R$ 5,60 na máxima do dia, por volta das 13h30. Em seguida, a alta perdeu força, após a divulgação do resultado da arrecadação federal no mês passado. A moeda passou a operar próxima da estabilidade após o anúncio de que a falta de acordo com partidos da oposição levou ao adiamento da discussão da PEC dos precatórios no Plenário da Câmara.

Com o desempenho de hoje, o dólar acumula alta de 2,33% em outubro. Em 2021, a divisa acumula valorização de 7,4%.

O mercado de ações teve um dia bem mais tenso. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 106.420 pontos, com recuo de 2,11%. A divulgação de que a prévia da inflação fechou outubro em 1,2% e atingiu o maior nível para o mês desde 1995 derrubou os mercados.

Com a inflação em alta, aumentaram as expectativas de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central seja mais agressivo nas elevações da taxa Selic, na reunião que começou hoje e termina amanhã (27). Juros mais altos desestimulam a aplicação em ações, investimentos de alto risco, e incentivam investimentos em renda fixa, como títulos do Tesouro Nacional, tirando dinheiro da bolsa.

* Com informações da Reuters

Edição: Lílian Beraldo

Comentários do Facebook
Continue lendo

GOIÁS

MINAS GERAIS

DISTRITO FEDERAL

POLÍTICA NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA