Geral

UnDF reúne nomes da educação mundial para discutir estrutura acadêmica

Publicado

em


Em dezembro, mais um passo será dado em direção à implementação da primeira universidade pública distrital de Brasília. O seminário gratuito e on-line “UnDF Professor Jorge Amaury Maia Nunes: entre o projeto e a criação” integra agenda da implementação da UnDF e reunirá renomados especialistas em educação para debater sobre estrutura acadêmica e modelos de gestão.

O evento está marcado para os dias 6 e 7 de dezembro e a programação inclui a participação de especialistas e autoridades educacionais renomadas. Entre os convidados para o seminário está António Nóvoa, doutor em ciências da educação e professor titular da Universidade de Lisboa/Unesco. Considerado um dos grandes pensadores da área, o docente irá proferir a conferência de abertura, com o seguinte tema: “Os sentidos de uma educação superior pública”.

Direcionado a docentes, pesquisadores, gestores, entidades de classe e demais interessados, o seminário é gratuito e o link da transmissão e a programação completa estão disponíveis no site projetoundf.com.br.

“Creio eu que as trocas realizadas serão fundamentais para que a UnDF possa imprimir diferencial de competência desde seu nascimento, sendo peça importante da transformação socioeconômica do Distrito Federal”Professora doutora Simone Benck, reitora pro tempore da UnDF

“Nomes fortes da educação superior debaterão, a partir da realidade distrital, a universidade do nosso tempo. Creio eu que as trocas realizadas no evento serão fundamentais para que a Universidade do Distrito Federal Professor Jorge Amaury Maia Nunes – UnDF possa imprimir diferencial de competência desde seu nascimento, sendo peça importante da transformação socioeconômica do Distrito Federal”, afirmou a professora doutora Simone Benck, reitora pro tempore da UnDF.

A UnDF é uma realidade

O seminário faz parte da segunda macroação do projeto “Uma Universidade Distrital”, elaborado pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos – Cebraspe, fruto de acordo de cooperação entre a Universidade do Distrito Federal Professor Jorge Amaury Maia Nunes – UnDF e a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal – FAPDF.

A reitora pro tempore afirma que diversos esforços têm sido realizados para que se dê, de fato e de direito, a implementação da UnDF. Em cinco meses foram sancionadas pelo governador Ibaneis Rocha as leis de criação da UnDF (Lei n. 987/2021) e da Carreira Magistério Superior do DF (Lei n. 6.969/ 2021), legislações de fundamental importância para a instituição da universidade do DF no ano de 2021, além da promulgação do PELO, proposta de alteração à Lei Orgânica do DF, que garante recursos para estruturação, projetos, pesquisas e inovação da UnDF.

“A Universidade do Distrito Federal Professor Jorge Amaury Nunes é uma realidade. A partir da ampla institucionalização da política de educação superior pública distrital, diversos esforços têm sido realizados para que a consolidação desta universidade se dê de fato e de direito, e este seminário é uma das ações que fortalecem o compromisso da FAPDF, Cebraspe, Reitoria Pró-Tempore e toda a equipe da UnDF, com a qualidade e o valor social desta instituição desde sua primeira infância”, ressalta Simone Benck.

O evento abrangerá discussões sobre o sentido da educação superior pública, metodologias de ensino e pesquisa, bem como aspectos relacionados ao financiamento, à inovação e às arquiteturas acadêmicas institucionais possíveis para a instituição recém-criada.

Projeto UnDF

O plano de trabalho do projeto de pesquisa “Uma Universidade Distrital” é embasado em quatro macroações. São elas: estudos de viabilidade de uma universidade distrital; pesquisa de modelos inovadores de gestão universitária com a realização de benchmarking nacional e internacional; pesquisa de modelos inovadores de gestão universitária: proposta de modelagem para estruturação de uma universidade distrital; e pesquisa de metodologias e/ou tecnologias inovadoras de ensino superior.

Esse seminário está inserido dentro da segunda macroação do projeto, que prevê, entre outras entregas, a realização de seminários, encontros e fóruns de debates sobre gestão da educação superior com ênfase nas áreas relativas à inovação, às tecnologias e às engenharias. Em outubro, também como parte dessa etapa, foi promovido um colóquio on-line para discutir modelos de gestão universitária inovadora e conhecer a estrutura e os modelos de sucesso na implementação de políticas ou ações voltadas para o ensino, pesquisa, inovação e desenvolvimento tecnológico em Instituições de Ensino Superior – IES.

Marco Antônio Costa Júnior, diretor-presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal – FAPDF acredita que, a partir das entregas do projeto de pesquisa “Uma Universidade Distrital”, a nova instituição de ensino será baseada em métodos inovadores que vão além do ensino. “A FAPDF também vai fomentar a realização dos estudos para a elaboração do projeto arquitetônico de um dos prédios que comporão a estrutura da UnDF. A partir desses estudos, os outros parceiros do projeto, como Terracap, Biotic e Novacap, poderão trabalhar na construção do prédio que abrigará os cursos de tecnologia da universidade e que será erguido no Parque Tecnológico de Brasília”, destaca.

Para o Cebraspe, o projeto é uma iniciativa desafiadora e muito gratificante. “Neste momento, nossas atenções estão voltadas à realização desse evento importante que reforça o compromisso do Cebraspe, nesta e nas fases que se seguem, de atuar de maneira estratégica, auxiliando na realização de ações que permitirão à UnDF se consolidar enquanto espaço para um ensino superior pautado pelas melhores práticas metodológicas e tecnológicas”, acredita a Diretora Executiva do Centro, Cláudia Griboski.

Parceiros do projeto, como a Terracap, Biotic e Novacap, trabalharão na construção do prédio que abrigará os cursos de tecnologia da universidade e que será erguido no Parque Tecnológico de Brasília.

Simone Benck também destaca os próximos passos da instituição, que inclui a realização de concurso para formação do corpo docente. “O compromisso desta gestão é trabalhar para que a UnDF abra, em 2022, novas vagas nos cursos de graduação e pós-graduação já existentes na Escola Superior de Gestão, na Escola Superior de Ciências da Saúde e na Escola de Educação e Magistério, além de novos cursos superiores em outras unidades a serem instituídas. Para isso, o nosso empenho é realizar, o mais brevemente possível, processo de escolha pública de professores e tutores”, conclui.

Debate aberto ao público

No dia 6 de dezembro, a abertura do evento terá a apresentação do Coral Madrigal de Brasília e está prevista a presença do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha. Foram convidados para a abertura, Márcia Abrahão Moura, reitora da Universidade de Brasília; Hélvia Paranaguá, secretária de Educação do DF; Ricardo Alves Sande, chefe de gabinete do presidente da Câmara Legislativa do DF, a deputada Arlete Sampaio, presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura – CLDF e Wagner Vilas Boas de Souza, secretário de Educação Superior do Ministério da Educação.

Na sequência, o professor António Nóvoa, da Universidade de Lisboa/Unesco, falará sobre o tema “Os sentidos de uma educação superior pública”. No período da tarde, estão programadas duas mesas redondas sobre “Metodologias de ensino da educação superior” e “Pesquisa, financiamento e desenvolvimento regional”.

O segundo dia do evento terá início com uma sessão especial: Universidade Estadual do Maranhão – experiências de gestão inovadora. Haverá, em seguida, duas mesas redondas com abordagens sobre “Impactos sociais, culturais e de inclusão social da criação da UnDF para o Desenvolvimento Regional” e “Arquiteturas Acadêmicas da Educação Superior”. Encerrando as discussões do seminário, a professora Simone Benck conduzirá uma sessão especial sobre os desafios e as perspectivas da UnDF. A sessão de encerramento contará com a exposição da reitora pro tempore da UnDF e da Diretora Executiva do Cebraspe.

Para saber mais sobre o Projeto de Pesquisa “Uma Universidade Distrital, acesse o site: projetoundf.com.br

Serviço

Seminário UnDF Professor Jorge Amaury Maia Nunes: entre o projeto e a criação
Quando: 6 e 7 de dezembro de 2021
Horário: das 9h às 12h30 e das 14h às 18h
Programação completa: projetoundf.com.br/programacao/

*Com informações da Chefia de Implantação da UnDF

Fonte: Governo DF

Comentários do Facebook
Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Praça do Gavião, no Cruzeiro, vai ganhar novo campo sintético

Publicados

em


O GDF iniciou um amplo projeto de recuperação da Praça Gavião, no Cruzeiro Velho, localizada na quadra 5. Inicialmente está sendo construído um campo sintético, que deve ficar pronto ainda este mês. O valor do investimento para essa ação é de R$ 650 mil, verba executada por meio de emenda parlamentar do distrital Reginaldo Sardinha.

Na sequência, serão construídas ainda duas quadras de areia, diversificando as modalidades de práticas esportivas na cidade. O custo desses dois espaços é de quase R$ 140 mil.

A primeira fase do projeto, a construção da base do campo, já foi finalizada. Agora é só esperar a execução da segunda parte, que consiste na colocação do tapete, além da montagem dos alambrados e arquibancadas| Foto: Lucio Bernardo Jr./Agência Brasília

“Antes existia uma quadra de futebol comum ali mas, a partir de demanda da população, optamos em construir um campo sintético”, conta Kleyce Oliveira Silva, chefe de gabinete da Administração Regional do Cruzeiro. “Assim que terminar a construção do campo sintético, começam as obras das quadras de areia. Priorizamos as demandas do Cruzeiro Velho, que sempre ficaram à mercê das ações em relação ao Cruzeiro Novo”, diz.

“Estamos construindo e reformando dez campos sintéticos em todo o DF, esse do Cruzeiro é um deles e faz parte de um amplo projeto de democratização dos espaços esportivos da cidade”Gisele Ferreira, secretária de Esportes e Lazer

O campo society mede 880 metros quadrados. Ao todo, 20 homens trabalham nessa obra que receberá, em média, até 100 pessoas por final de semana. A primeira fase do projeto, a construção da base do campo, já foi finalizada. Agora é só esperar a execução da segunda parte da empreitada, que consiste na colocação do tapete, além da montagem dos alambrados e arquibancadas.

A obra faz parte de um pacote de iniciativas do Governo do Distrito Federal para, por meio da Secretaria de Esporte e Lazer, atender as demandas da população nas áreas de lazer e práticas esportivas. Além do Cruzeiro, Taguatinga, Ceilândia, Riacho Fundo II, Recanto das Emas, Gama, Sobradinho II e Planaltina vão ganhar ou terão seus campos sintéticos recuperados.

“Essa segunda da fase da obra é mais rápida, fica pronta, no máximo, em uma semana”, explica Ozeias de Paulo Marques, chefe da Assessoria de Obras e Infraestrutura da Secretaria de Esportes. “Estamos construindo e reformando dez campos sintéticos em todo o DF, esse do Cruzeiro é um deles e faz parte de um amplo projeto de democratização dos espaços esportivos da cidade”, destaca a secretária de Esporte e Lazer, Gisele Ferreira.

“Agora vai ficar ótimo, é um resgate importante, trazendo de volta um lugar bastante usado pelos jovens”, elogia a advogada Marcela Moraes, moradora da região | Foto: Lucio Bernardo Jr./Agência Brasília

Moradora há mais seis anos do setor, a advogada Marcela Moraes, 40 anos, acha a iniciativa do GDF de reformar o antigo campo society excelente . Sobretudo porque potencializa as práticas esportivas entre os jovens. “Aqui funcionava uma escolinha particular de futebol que parou porque as condições do lugar estavam péssimas, com tudo solto, bem ruim mesmo”, conta. “Agora vai ficar ótimo, é um resgate importante, trazendo de volta um lugar bastante usado pelos jovens”, emenda.

Funcionário público aposentado, Eder Jorge, 53, mora há cinco anos no Cruzeiro. Ele garante que a recuperação de toda a praça, um espaço cativo na região, mexe com a autoestima da população. “Ninguém gosta de ver a cidade suja, largada, com os espaços públicos abandonados”, observa. “O novo campo vai trazer alegria e mais vida para o local, assim como os outros novos espaços”, defende.

Fonte: Governo DF

Comentários do Facebook
Continue lendo

GOIÁS

MINAS GERAIS

DISTRITO FEDERAL

POLÍTICA NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA