Economia

Petrobras investirá R$16 bilhões na Bacia de Campos em 5 anos

Publicado

em


A Petrobras planeja investir R$16 bilhões na Bacia de Campos nos próximos cinco anos. O montante representa 23% da estimativa total de investimentos que a estatal tem para o período entre 2022 e 2026. 

A Bacia de Campos é uma bacia sedimentar marítima que se estende das imediações da cidade de Vitória, no Espírito Santo, até Arraial do Cabo, no litoral norte do Rio de Janeiro. Nessa área, estão localizados campos com importantes reservas na camada pré-sal. Atualmente, ela é a segunda maior produtora do país, atrás apenas da Bacia de Santos.

“Estamos avançando em grandes revitalizações na Bacia de Campos”, disse hoje (25) o diretor de comercialização e logística da estatal, Fernando Borges, durante o Petrobras Day, evento de relacionamento com investidores. Borges confirmou a desistência da venda do campo de Marlim, que deverá contar com duas novas unidades a partir de 2023.

Descoberto em 1985, o campo de Marlim situa-se na Bacia de Campos e está distante aproximadamente 110 quilômetros do litoral fluminense. “Não consta mais na nossa carteira de desinvestimentos. Ressalto que a gestão ativa de portfólio é dinâmica. No mínimo anualmente fazemos uma revisão. E isso vai acontecer com todos os ativos”, acrescentou Fernando Borges.

Durante o Petrobras Day, o presidente da estatal, Joaquim Luna e Silva, e diretores da empresa abordaram detalhes do Plano Estratégico da Petrobras para o quinquênio 2022-2026. Aprovado ontem, ele prevê um investimento total de US$ 68 bilhões. Trata-se de um valor 24% superior ao quinquênio anterior.

“A percentagem mais elevada focada na área de exploração e produção e na área de refino caracteriza muito bem que nós estamos trazendo um investimento forte no nosso pré-sal que já corresponde a mais de 70% da produção da companhia”, disse Joaquim Luna e Silva. Do total de 15 novas plataformas do tipo Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência (FPSO) que deverão entrar em operação até 2026, 12 estão no pré-sal e três no pós-sal.

Diversos esclarecimentos foram feitos sobre o andamento da estratégia de desinvestimentos que vem sendo adotada desde 2019. Nos últimos anos, a Petrobras já se desfez de diferentes ativos como as subsidiárias TAG, BR Distribuidora, Gaspetro e alguns campos de petróleo.

Continua sendo avaliada a venda da sua fatia na petroquímica Braskem, mas não há ainda uma agenda específica. A estatal possui 47% das ações com direito a voto, enquanto a Novonor, nova denominação do Grupo Odebrecht, detém 50,1%. Outros acionistas respondem por 2,9% do capital votante. “Nesse momento, estamos tendo discussões com o outro sócio relevante que é a Novonor e a gente tem desenhado um modelo de venda que gere mais valor, que ambas as partes consigam tirar valor”, disse o diretor de relacionamento institucional e sustentabilidade, Rodrigo Araújo.

A venda da refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, também permanece no horizonte. Ainda assim, ela deverá receber um investimento de US$ 1 bilhão. O montante será usado em obras para finalização da segunda unidade de refino, o que deverá ampliar a capacidade de produção de 115 mil para 260 mil barris por dia (bpd) até o ano de 2027. “É um investimento que tem retorno, que tem indicadores adequados”, disse Rodrigo Araújo.

A RNEST entrou em operação em 2014 e havia sido incluída no portfólio de desinvestimentos da Petrobras em 2019. Uma tentativa de venda da refinaria ocorreu em 2021, mas não houve interessados. Segundo Rodrigo Araújo, as obras pendentes afastaram atores estrangeiros e contribuíram para o insucesso no negócio.  

“A Petrobras tem mais conhecimento e consegue avançar na conclusão. A ideia é retomar o processo de construção e em paralelo relançar o processo de venda”, disse. Rodrigo avaliou ainda que os investimentos poderão ser recuperados. “A gente aumenta não só o valor do ativo como as perspectivas de conseguir fazer uma venda bem sucedida”, acrescentou. Segundo ele, não há um cronograma definido, mas a expectativa é concretizar o negócio com as obras em andamento.

Ao todo, US$ 6,1 bilhões serão investidos na área de refino, conforme o Plano Estratégico da Petrobras para o quinquênio 2022-2026. Mas a estatal, que hoje possui 13 refinarias, pretende manter em 2026 apenas as cinco que possui nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Preços dos combustíveis

Segundo o diretor de comercialização e logística da Petrobras, Cláudio Mastella, os investimentos previstos para o quinquênio 2022-2026 não afetam diretamente os preços dos combustíveis. “Não são definidos pelo investimento, mas pelos mercados. Não só do diesel e da gasolina, como de qualquer mercadoria no mundo. Os mercados se comunicam e em função da oferta e da demanda é que os preços se formam. Não há nenhuma conexão com qualquer investimento que possamos fazer”.

“O que temos feito é investir em eficiência dos nossos processos, tornando nossa produção mais competitiva e aí sim podendo oferecer preços compatíveis e, sendo locais, mais competitivos diante do mercado internacional. Oferecer mais qualidade, confiabilidade e preço. Preço de mercado como em qualquer mercadoria”, acrescentou.

Desde 2016, a Petrobras adota a chamada Política de Preços de Paridade de Importação (PPI), que vincula o preço do petróleo ao mercado internacional tendo como referência o preço do barril tipo brent, que é calculado em dólar. As variações recentes da moeda têm repercutido em uma alta no valor que os postos cobram na venda dos combustíveis.

Críticos da precificação baseada no dólar, a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e o Observatório Social da Petrobras (OSP) realizaram hoje (25) a campanha Dia Nacional sem PPI. Paralelamente ao Petrobras Day, eles colocaram à venda 12 mil litros de gasolina a R$ 4,40 em alguns postos de gasolina nos estados de Rio de Janeiro e São Paulo. O valor é 34,8% menor do que a média cobrada pelo mercado: R$ 6,75 segundo o último levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP) entre os dias 14 e 20 de novembro.

Edição: Aline Leal

Comentários do Facebook
Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

CNI: sete em cada 10 indústrias têm dificuldades para comprar insumo

Publicados

em


As dificuldades de abastecimento de insumos e de matérias-primas afetaram em média 68% das empresas das indústrias extrativa e de construção, em outubro de 2021, de acordo com pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada hoje (2).

O percentual é menor do que o de fevereiro deste ano, quando 73% das empresas relataram o problema. “Apesar da ligeira queda, a situação está bastante complicada e mais da metade das indústrias avalia que esse desajuste só terá fim a partir de abril de 2022”, informou a CNI.

Segundo a pesquisa, em 18 dos 25 setores da indústria de transformação consultados, mais de dois terços das empresas afirmaram que, mesmo em negociações com o valor acima do habitual, está mais difícil obter os insumos no mercado doméstico. 

Esse problema atinge 90% do setor de calçados; 88% das indústrias de couro, 85% dos fabricantes de móveis; 79% da indústria química; 78% do vestuário e 78% das madeireiras, além de 77% das indústrias de equipamentos de informática e produtos eletrônicos e 76% do setor de bebidas, por exemplo.

Insumos importados

Entre os setores que dependem de insumos importados, 18 deles também relataram o mesmo problema: a dificuldade de comprar a mercadoria, mesmo que se decida pagar a mais por ela. Os setores mais afetados foram: farmacêuticos (88%), máquinas e materiais elétricos (86%), vestuário (85%), material plástico (84%), limpeza e perfumaria (82%), têxteis (81%) e móveis (80%).

De acordo com o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, há, pelo menos, três explicações para a falta de insumos gerada pela crise provocada pela pandemia de covid-19. “Há um buraco na produção industrial que ainda não foi resolvido. A [pesquisa] Sondagem Industrial de outubro mostrou ajuste nos estoques, é uma condição importante, necessária para resolver o problema, mas é um primeiro passo. E esse ajuste ainda precisa se completar para uma série de setores”, explicou o economista, em nota. 

“Além disso, temos a expansão da demanda global de uma série de produtos, com os países voltando da crise. Esses fatores seguem provocando estresse nas linhas produtivas e a escassez de diversos insumos”, completou.

Segundo Marcelo Azevedo, há ainda um outro agravante composto pelo elevado custo da logística, alto preço e baixa qualidade dos contêineres. “Alguns países estão buscando alternativas para esse problema dos insumos, como desenvolver fornecedores locais, mas não é algo que se faça rapidamente nem depende só da ação da vontade, e envolve custos”, afirmou.

Construção civil

De acordo com a CNI, na construção civil o problema se agravou entre fevereiro e outubro deste ano. O percentual de construtores que disse ter dificuldade para obter insumo e matéria-prima passou de 72% para 75%.

Diante disso, a expectativa de um cenário de normalização da oferta de insumos é um pouco mais pessimista, em comparação com a indústria geral: 88% acreditam que a normalização de insumos só ocorrerá em 2022 e 9% das empresas esperam que haja normalização apenas em 2023. Nesse segmento, dos 27% que importam insumos, 80% deles sinalizaram dificuldades de acessar matérias-primas importadas.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários do Facebook
Continue lendo

GOIÁS

MINAS GERAIS

DISTRITO FEDERAL

POLÍTICA NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA