Nacional

Embratur vai promover Patrimônios Históricos do Brasil no exterior

Publicado

em

A Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), o Ministério do Turismo (MTur) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) firmaram um acordo de cooperação técnica para promover e difundir internacionalmente os Patrimônios Históricos do Brasil.

A parceria envolve ações de promoção dos 16 sítios culturais do Patrimônio Mundial no Brasil, localizados em nove estados e no Distrito Federal, assim como dos 52 bens culturais registrados como Patrimônio Cultural do Brasil. O destaque está em seis deles, incluídos na lista da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

Os seis patrimônios imateriais reconhecidos pela Unesco são a Arte Kusiwa (Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajápi); o Círio de Nossa Senhora de Nazaré; o Complexo Cultural do Bumba-meu-Boi do Maranhão; o Frevo; a Roda de Capoeira e o Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Estão previstas ações como a criação da identidade visual do roteiro do Turismo Cultural dos Sítios Patrimônios Mundiais brasileiros, disponibilização de banco de imagens sobre os sítios culturais, realização de iniciativas voltadas à promoção e apoio à comercialização dos destinos, projetos de acessibilidade física com orientação técnica e fomento para implantação nos sítios, entre outras.

“O Patrimônio Cultural Brasileiro passa a ser vitrine no mundo. Nós veremos Angra dos Reis e Paraty, a capoeira, o forró, a feira de Caruaru sendo apresentados ao mundo pela Embratur”, comemorou Larissa Peixoto, presidente do Iphan.

Confira a lista de patrimônios históricos:

Os 16 sítios culturais do Patrimônio Mundial no Brasil
1. Cidade Histórica de Ouro Preto (MG);
2. Centro Histórico da Cidade de Olinda (PE);
3. Missões Jesuíticas dos Guaranis: San Ignacio Mini, Santa Ana, Nuestra Señora de Loreto e Santa Maria Mayor (Argentina), Ruínas de São Miguel das Missões (Brasil/RS);
4. Centro Histórico de Salvador de Bahia (BA);
5. Santuário do Bom Jesus de Congonhas (MG);
6. Brasília (DF);
7. Parque Nacional Serra da Capivara (PI);
8. Centro Histórico de São Luís (MA);
9. Centro Histórico da Cidade de Diamantina (MG);
10. Centro Histórico da Cidade de Goiás (GO);
11. Praça São Francisco na Cidade de São Cristóvão (SE);
12. Rio de Janeiro: Paisagens Cariocas entre a Montanha e o Mar;
13. Conjunto Moderno da Pampulha (MG);
14. Sítio Arqueológico Cais do Valongo (RJ);
15. Sítio Misto – Paraty e Ilha Grande: cultura e biodiversidade (RJ);
16. Sítio Roberto Burle Marx: paisagem cultural (RJ).

Os 6 Patrimônios Culturais Imateriais da Humanidade:
1. Arte Kusiwa – Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajápi;
2. Círio de Nossa Senhora de Nazaré;
3. Complexo Cultural do Bumba-meu-Boi do Maranhão;
4. Frevo;
5. Roda de Capoeira;
6. Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Os 52 bens culturais registrados como Patrimônio Cultural do Brasil:
Celebrações:
1. Banho de São João de Corumbá e Ladário (MS);
2. Bembé do Mercado;
3. Círio de Nossa Senhora de Nazaré;
4. Complexo Cultural do Boi Bumbá do Médio Amazonas e Parintins;
5. Complexo Cultural do Bumba-meu-Boi do Maranhão;
6. Festa de Sant’Ana de Caicó (RN);
7. Festa do Divino Espírito Santo da Cidade de Paraty (RJ);
8. Festa do Divino Espirito Santo de Pirenópolis (GO);
9. Festa do Pau da Bandeira de Santo Antônio em Barbalha (CE);
10. Festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim;
11. Festividades do Glorioso São Sebastião na região do Marajó;
12. Procissão do Senhor dos Passos de Florianópolis;
13. Ritual Yaokwa do povo indígena Enawenê Nawê;
14. Romaria dos Carros de Boi da Festa do Divino Pai Eterno de Trindade.

Formas de Expressão:
1. Arte Kusiwa – Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajápi;
2. Caboclinho;
3. Carimbó;
4. Cavalo-Marinho;
5. Cirando do Nordeste;
6. Fandango Caiçara;
7. Frevo;
8. Jongo no Sudeste;
9. Literatura de Cordel;
10. Marabaixo;
11. Maracatu Baque Solto;
12. Maracatu Nação;
13. Matrizes do Samba no Rio de Janeiro: partido alto, samba de terreiro e samba-enredo;
14. Matrizes Tradicionais do Forró;
15. Repente;
16. Ritxòkò: Expressão Artística e Cosmológica do Povo Karajá;
17. Roda de Capoeira;
18. Samba de Roda do Recôncavo Baiano;
19. Tambor de Crioula do Maranhão;
20. Teatro de Bonecos Popular do Nordeste: Mamulengo, Babau, João Redondo e Cassimiro Coco;
21. Toque dos Sinos em Minas Gerais.

Lugares:
1. Cachoeira de Iauaretê – Lugar Sagrado dos povos indígenas dos Rios Uaupés e Papuri;
2. Feira de Campina Grande;
3. Feira de Caruaru;
4. Tava, Lugar de Referência para o Povo Guarani.

Saberes:
1. Modo de fazer Renda Irlandesa tendo como referência este Oficio em Divina Pastora (SE);
2. Modo de fazer Viola-de-Cocho;
3. Modos de Fazer Cuias do Baixo Amazonas;
4. Modos de Fazer o Queijo Minas Artesanal;
5. Oficio das Baianas de Acarajé;
6. Oficio das Paneleiras de Goiabeiras;
7. Oficio de Sineiro;
8. Oficio dos Mestres de Capoeira;
9. Produção Tradicional e práticas socioculturais associadas a Cajuína no Piauí;
10. Saberes e Práticas Associados ao modo de fazer Bonecas Karajá;
11. Sistema agrícola de comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira;
12. Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro (AM);
13. Tradições Doceiras na Região de Pelotas e Antiga Pelotas: Morro Redondo, Ituruçu, Capão do Leão e Arroio do Padre.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

Comentários do Facebook
Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

Contratações de consignado no Auxílio Brasil devem começar em setembro

Publicados

em

O ministro da Cidadania, Ronaldo Bento, disse hoje (17) que as contratações de crédito consignado por beneficiários do Auxílio Brasil devem começar até o início de setembro. Após a edição do decreto que regulamentou a concessão desse empréstimo, o Ministério da Cidadania trabalha em normas complementares para o início das operações.

“Já temos quase 17 instituições financeiras homologadas pelo Ministério da Cidadania aptas à concessão do empréstimo consignado. É um número que mostra o interesse do mercado em estar disponibilizando o crédito para essa população”, disse, durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto.

O crédito consignado é aquele concedido pelas instituições financeiras com desconto automático das parcelas em folha de pagamento do salário ou benefício. Os beneficiários do Auxílio Brasil poderão fazer empréstimos de até 40% do valor do benefício e autorizar a União a descontar o valor da parcela dos repasses mensais.

O programa social tem valor mínimo de R$ 400, mas de agosto a dezembro deste ano o benefício será de R$ 600.

Extrema pobreza

O ministro Ronaldo Bento estava acompanhando do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Erik Figueiredo, que apresentou um estudo que avalia os efeitos do Programa Auxílio Brasil sobre a extrema pobreza, o mercado de trabalho e a insegurança alimentar. A nota Expansão do Programa Auxílio Brasil: Uma Reflexão Preliminar, assinada por Figueiredo, foi divulgada na semana passada.

De acordo com o Ipea, a previsão da Organização das Nações Unidas (ONU) era que a taxa de extrema pobreza brasileira saltaria de 5,1% em 2019 para 8,8% em 2022, mas segundo Figueiredo, a tendência é contrária, com a projeção de uma redução da taxa de extrema pobreza para 4,1% em 2022. Em 2021, 6% dos brasileiros estavam na condição de extrema pobreza.

Para chegar a essa previsão, Figueiredo explicou que o Ipea considerou a adição de 5,7 milhões de famílias no Auxílio Brasil em 2021 e 2022. “Evidente que isso vai ter um impacto na extrema pobreza. Consideramos esse incremento com base em dados mais concretos”, disse.

O estudo diz ainda que o crescimento da prevalência de desnutrição e insegurança alimentar no Brasil não tem impactado os indicadores de saúde ligados à prevalência da fome. “Entre 2018 e 2021, o número de internações relacionadas à desnutrição protéico-calórica de graus moderado e leve, à desnutrição protéico-calórica grave, ao atraso do desenvolvimento devido à desnutrição protéico-calórica, à kwashiorkor [deficiência de proteínas] e ao marasmo nutricional apresentou queda”, informou o Ipea.

De acordo com o instituto, o aumento do repasse do programa representou, entre janeiro e agosto, aproximadamente 2,5 vezes a perda de renda do trabalho das famílias pobres em decorrência da pandemia da covid-19. Além disso, segundo Figueiredo, o crescimento do programa social impulsionou as economias locais.

“Em todas as regiões do país, houve uma relação diretamente proporcional na quantidade de empregos formais gerados e famílias acrescidas ao Auxílio Brasil. Em média, para cada mil famílias incluídas no Auxílio Brasil, há a geração de 365 empregos formais”, disse.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

Comentários do Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA