Geral

Caminhos mais seguros e limpos para o Sudoeste

Publicado

em


“Nosso objetivo, com o apoio do GDF Presente, é intensificar os trabalhos em toda a região administrativa. Vamos seguir investindo em mobilidade com a criação de mais calçadas e estacionamentos”Walkiria Garcia, administradora do Sudoeste

Uma das principais vias de acesso ao Sudoeste, a 4ª Avenida recebe esta semana diversas melhorias promovidas pelo programa GDF Presente e a administração regional. Com seus três quilômetros de extensão, a via margeia o chamado ‘Sudoeste Econômico’, onde moram cerca de 3,6 mil pessoas, e se estende até o cruzamento com a Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig).

Duas reformas estão sendo feitas para trazer mais segurança e conforto aos moradores. Rampas de acessibilidade foram colocadas nas calçadas na altura da QRSW 4, local onde também será criada uma faixa de pedestres. A solicitação foi feita por moradores, atentos ao intenso movimento de veículos na pista e também para trazer segurança aos usuários da ciclovia que fica ao lado.

Os trabalhos de construção de passeios estão sendo executados por funcionários e reeducandos da Fundação Nacional de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap)  | Fotos: Tony Oliveira/Agência Brasília

“Essa travessia segura e mais acessível é importante não só para os pedestres, inclusive os idosos, mas também para os ciclistas. São muitas as ciclovias em todo o bairro”, explica a técnica de segurança do trabalho Ivana Lacerda, presidente da Associação dos Moradores da QRSW. “Essa parte aqui do Sudoeste tem muito mais movimento do que nas superquadras”, emenda.

Além da reforma nas calçadas, os meios-fios de toda a 4ª Avenida foram pintados por uma equipe do Serviço de Limpeza Urbana (SLU). A próxima tarefa é do Detran, que fará a faixa de pedestres e a sinalização no local. Segundo a administradora regional Walkiria Garcia, há ainda um estudo para colocar radares de velocidade na pista.

“Nosso objetivo, com o apoio do GDF Presente, é intensificar os trabalhos em toda a região administrativa. Vamos seguir investindo em mobilidade com a criação de mais calçadas e estacionamentos”, explica a gestora.

De acordo com a coordenação do Polo Central do GDF Presente, o objetivo é “empoderar” as administrações para atender às diversas demandas das regiões administrativas

300 metros de calçadas

Por sinal, servidores da administração e nove reeducandos da Fundação Nacional de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) – órgão vinculado à Secretaria de Justiça e Cidadania – trabalham no momento na construção de 65 metros de passeios, próximo a uma maternidade particular. O governo está fazendo parte das calçadas e a clínica está complementando com recursos próprios a criação de mais 230 metros na parte lateral. “Fica mais seguro para a gente se deslocar né, muitas vezes com bebês e crianças”, comenta a diarista Wladia da Costa, 42 anos.

“Esse trabalho de parceria é muito proveitoso. Nosso objetivo é também empoderar a administração com maquinário, mão-de-obra, articulação com a Novacap para atender às diversas demandas das regiões administrativas”, conclui o coordenador do Polo Central do programa, Luciano Almeida.

Fonte: Governo DF

Comentários do Facebook
Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Vice-governador Paco Britto é homenageado pela Assespro

Publicados

em


O vice-governador Paco Britto foi homenageado com troféu, na noite desta quarta-feira (1°), durante solenidade comemorativa aos 45 anos da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro). O evento, realizado no Centro Empresarial de Brasília, reuniu cerca de 150 convidados, entre empresários, parlamentares, secretários e dirigentes do setor de TI de todo o Brasil.

Distrito Federal é o terceiro maior mercado de TI do Brasil – são cerca de 30,3 mil vagas nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) | Foto: Jaqueline Husni/Agência Brasília

Com mais de 2,5 mil empresas associadas em todos os estados do Brasil e com regionais em 13 estados da federação, a associação é a mais antiga – foi fundada em 1976, com sede em Brasília – e tem a maior representatividade em âmbito nacional referente às empresas brasileiras do setor – principalmente, em relação às pequenas e médias empresas.

No discurso, Paco Britto comentou sobre o mercado promissor de Tecnologia da Informação (TI) no Distrito Federal. “Brasília é um celeiro de novas empresas de TI. Já é uma realidade. O governo Ibaneis Rocha e Paco Britto tem um olhar especial para a TI do Distrito Federal”, frisou, dirigindo-se ao vice-presidente de Articulação Política da Federação Assespro, Cristian Tadeu, presente à cerimônia.

Redução de alíquotas

Paco ressaltou ainda sobre a redução de alíquotas praticada nesta gestão. “Eu tive a oportunidade de anunciar a redução, no primeiro ano de governo, das alíquotas, para que pudéssemos ficar competitivos junto a outros estados”, lembrou, acrescentando que as entidades que representam essa “população de trabalhadores é uma grande máquina de arrecadação de tributos para o Governo do Distrito Federal”.

Para o presidente da Federação Assespro, Ítalo Nogueira, um dos principais desafios do setor nos próximos anos é a falta de profissionais no setor, agravada ainda mais durante o período da pandemia de covid-19.

Segundo o Sindicato das Indústrias da Informação do Distrito Federal (Sinfor/DF), o Distrito Federal é o terceiro maior mercado de TI do Brasil – são cerca de 30,3 mil vagas nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Ainda de acordo com o sindicato, durante a pandemia, foram abertas por volta de 2 mil empresas de informática e de TI. Mas apesar do crescente número de vagas disponíveis, ainda há falta de mão de obra qualificada para atender ao mercado.

Fato este que foi corroborado por Cristian durante a leitura de um manifesto, para marcar a data comemorativa da Assespro. O teor do documento foi resultado de uma reunião do Conselho de Administração, realizada na manhã desta quarta-feira (1°), em defesa de políticas públicas que evitem o apagão de mão de obra do setor. “O momento exige união para evitar o apagão tecnológico”, resumiu.

Também foi citada nos discursos, pelos dirigentes, a competitividade tecnológica do país, bem como a geração e preenchimento de empregos de qualidade. Ao longo dessas quatro décadas, a entidade vem defendendo os interesses das empresas nacionais e a indústria nacional da Tecnologia da Informação.

Integração

Representante do setor junto aos governos municipais, estaduais e federal, bem como a sociedade, e perante as instituições de ensino, a Assespro tem o objetivo de integrar a comunidade acadêmica com a empresarial e contribuir para formação de pessoal capacitado para as demandas do mercado.

A Assespro foi criada com o intuito de representar de forma distinta e empreendedora, empresas privadas nacionais produtoras e desenvolvedoras de software, produtos e serviços de tecnologia da informação, telecomunicações e internet.

Com informações da Assespro

Fonte: Governo DF

Comentários do Facebook
Continue lendo

GOIÁS

MINAS GERAIS

DISTRITO FEDERAL

POLÍTICA NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA