Nacional

Atos em São Paulo serão acompanhados por cerca de 3,6 mil policiais

Publicado

em


As forças de segurança do Estado de São Paulo terão um esquema especial de policiamento para acompanhar as manifestações previstas para amanhã (7), na Avenida Paulista e no Vale do Anhangabaú, na capital paulista.

O efetivo será de aproximadamente 3,6 mil policiais e terá o apoio de 1.473 viaturas, 60 cavalos, quatro drones e dois helicópteros da Polícia Militar (PM). Participarão da operação equipes dos Comandos de Policiamento da Capital (CPC), de Trânsito (CPTran), de Choque (CPChq) e do Corpo de Bombeiros (CCB).

As manifestações também serão monitoradas por meio de câmeras fixas, móveis, motolink (câmeras instaladas em motocicletas) e bodycams (câmeras instaladas no fardamento dos policiais). As imagens serão acompanhadas ao vivo no Centro de Operações da PM (Copom). 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a finalidade da operação é “proteger as pessoas, preservar patrimônios e garantir o direito de ir e vir, bem como o de livre participação nos atos e a fluidez no trânsito”.

Revista pessoal e de mochilas

De acordo com a SSP, a polícia vai fazer revistas pessoais e de mochilas dos participantes das manifestações. Entre os itens que não poderão ser levados estão armas brancas e de fogo, bastões, fogos de artifício, sinalizadores e drones. Quem estiver na posse destes materiais será conduzido à delegacia para o registro de um termo circunstanciado.

A polícia também vai fazer uma vistoria prévia e um cadastro dos carros de som que farão parte das manifestações. O ato na Avenida Paulista se concentrará no perímetro que compreende a Avenida Brigadeiro Luís Antônio e a Praça dos Ciclistas, das 11h às 18h. O ato no Vale do Anhangabaú ocorrerá das 14h às 17h.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Geral

Comentários do Facebook
Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Caminhoneiro Zé Trovão se apresenta à PF, após dois meses foragido

Publicados

em


O caminhoneiro Marcos Antonio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, se apresentou hoje (26) à tarde na Delegacia da Polícia Federal, em Joinville, Santa Catarina, cidade onde mora, após permanecer quase dois meses foragido. A informação foi confirmada pela Polícia Federal, em Brasília.
 
“A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira (26), em Joinville/SC, mandado de prisão preventiva expedido pelo Supremo Tribunal Federal nos autos do Inquérito 4879, que investiga atos antidemocráticos”, disse a corporação, em nota.
 
O mandado de prisão foi expedido em 1º de setembro deste ano, pelo ministro do STF Alexandre de Moraes. Segundo a PF, o líder caminhoneiro se apresentou no início da tarde na Delegacia de Polícia Federal em Joinville e permanecerá à disposição da Justiça.
 
Zé Trovão foi levado para o presídio estadual da cidade de Joinville.
 
Antes de ser decretada a ordem de prisão, Zé Trovão fugiu para o México e tinha sido localizado pela Polícia Federal escondido naquele país.
 

Pedido de prisão

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a prisão do caminhoneiro no inquérito que investiga ameaças à democracia e incitação à violência em atos que estavam sendo organizados para o feriado de 7 de Setembro.

Segundo o ministro, as investigações feitas pela PF mostram a “presença de fortes indícios e significativas provas apontando a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político absolutamente semelhante àqueles identificados com a nítida finalidade de atentar contra a democracia e o Estado de Direito”.

O caso começou a ser apurado em abril do ano passado após manifestantes levantarem faixas pedindo a intervenção militar, o fechamento do STF e do Congresso durante atos realizados em Brasília e outras cidades do país.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

Comentários do Facebook
Continue lendo

GOIÁS

MINAS GERAIS

DISTRITO FEDERAL

POLÍTICA NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA